Prefeito participa de reunião para tratar da crise econômica que atinge a região

O Governador Luiz Fernando Pezão e o Presidente da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), deputado Jorge Picciani (PMDB), receberam no Palácio da Guanabara,na semana passada, 13 prefeitos dos municípios do Noroeste Fluminense.
Em pauta, a forte crise econômica que atinge a região. No encontro, Pezão e Picciani ouviram os apelos dos prefeitos e colocaram-se à disposição para dialogar e dar suporte aos municípios, auxiliando no que for possível, porém, deixaram claro que a situação do Estado também é grave e que não podem colaborar com um grande volume de dinheiro.
O Governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão afirmou que a crise atual é a mais grave já enfrentada na economia do Estado, enfatizou os esforços que estão sendo feitos para combater a crise. “Os prefeitos me apresentaram as dificuldades que eles estão tendo nesse momento de orçamento e eu disse a eles que nossos programas vão continuar e que vamos ajudá-los enviando nossos técnicos aos municípios nossos técnicos. Semana que vem está prevista uma visita da equipe da Secretaria de Fazenda nas cidades para orientar no corte de gastos e incrementar a arrecadação de impostos”.

Italva

O Prefeito de Italva, Leonardo de Souza Guimarães, preocupado com a situação que se encontra o município, publicou em sua página na Rede Social (Facebook), algumas providências urgentes a serem tomadas: "Infelizmente é uma crise nacional; dos estados e principalmente dos municípios. Algumas soluções citadas pelos prefeitos para amenizar a crise poderão ser aplicadas em Italva":

- Demissão de contratados;

- Corte total de horas-extras;

- Corte total de gratificações;

- Redução de vencimentos de cargos de confiança, inclusive de alguns prefeitos e vices;

- Extinção de contratos de máquinas, equipamentos, etc;

- Redução por tempo indeterminado do horário de expediente, para redução das contas de energia, água, telefone, gasolina, etc;

- Rescisão de contraltos de firmas de limpeza urbana;

- Eliminação de todas as festas;

- Não empréstimo de ônibus e cobrança para estudantes que saem das suas cidades;

- Cobrança por hora de qualquer máquina que preste serviço aos produtores rurais;

- Máquinas trabalhando só meio expediente;

- Aumento do IPTU através de um recadastramento;

- Conscientização da população para que emplaque seu carro na sua cidade, já que 50% da arrecadação fica para o município;

- Cobrança máxima de ITR;

"Neste momento, precisamos, mais do que nunca, agir com a razão e não com o coração. Não descarto nenhuma das soluções citadas acima. Temos lutado muito, perdendo noites de sono por preocupação e estudando todas as possibilidades para aumentar receitas e diminuir despesas", postou Leonardo Guimarães.

Compartilhar no Facebook